sábado, 19 de julho de 2008

22 badaladas do Castelo de Messiter

Alguns instantes antes das 22 badaladas do Castelo de Messiter, o pequeno menino encontrava-se atrás de um arbusto aos fundos do Castelo. A noite estava calma, as duas luas pareciam confrontar-se no céu e os escudos de fogo passeavam tranqüilos cortando os desenhos das estrelas e das poucas nuvens que lá figuravam em um luar tranqüilo e assustador.
Dentro do aposento secreto a bola de cristal rolava de um lado para outro sem parar, passara assim desde a hora em que o pequeno a deixara sozinha, o animalzinho de cinco patas lampejava a volta da bola, brincava friamente e sem parar de balançar a moça dentro da bola. Não se sabe de onde surgiu, e a moça estava cansada e exausta de tantas cabeças para baixo, de andar de um lado para outro, de ver as paredes, a cama, os armários e o teto contrastando com o tapete amarelo, e rodava, rodava, rodava sem parar.
Badaladas anunciavam às 22 horas ao reino, como combinado com a filha da cozinheira, ela apareceu por um buraco ao lado do arbusto que o menino estava, e o chamou com rapidez, pois estava com medo, naquela noite, dos guardas. O menino pôs-se a rapidez e em poucos instantes passavam vagarosamente pelo túnel debaixo do Castelo. A menina contava ao seu amiguinho que o Mago havia posto o Castelo inteiro em estado de alerta com o sumiço de sua bola de cristal, os guardas tinham ordens de quando encontrar a bola, lhe taparem o mais rápido, pois quem a olhasse ficaria cego na mesma hora, e mais, quem estava com a bola seria sacrificado na masmorra do meio do bosque. Ao chegar no aposento secreto, o menino entrou e a menina ficou na espreita, escondida atrás da parede que dava ao túnel. A primeira coisa que ele olhou ao chegar no quarto foi para o canto onde havia deixado a bola de cristal, mas ela não estava ali, então, começou a procurá-la em todos os cantos do quarto, em pouco tempo escutou um barulho estranho debaixo da cama, era a bola de cristal, ele pegou-a e colocou sobre a cama, a moça estava desmaiada e com sinais de muito cansaço em seu semblante. Ele aguardou um pouco, tossiu duas ou três vezes e nada da moça voltar a si, pensou que estava morta por um instante, mas em seguida ela acordou e tomou um enorme susto com os olhos do menino grudados a bola de cristal.
Em um pequeno relance ele percebeu que algo havia se mexido no canto do aposento, e estava atrás do biombo o que ele vira passar correndo, pegou a bola nas mãos e suando bastante arrancou o biombo do lugar e não encontrou nada. A moça, no entanto, não estava muito satisfeita com a atitude do garoto que nem a perguntou se estava bem, ou o que havia acontecido, por sua vez ele olhava novamente para ela e a questionava:
- O que fizestes? Qual o problema? Como fostes parar ali?
Ela responde:
- Um animal peludo e estranho que nunca vi em minha vida, apareceu e começou a jogar a bola para todos os lados, comecei a me sentir mal, muito tonta e apaguei. Não o vi mais depois que desmaiei.
O menino ficou surpreso com o relato da moça, pois seu avô fora por muitos anos o Soldado do reino, mas a idade chegou e suas forças não eram mais as mesmas, na sua velhice o ex-soldado contava muitas histórias sobre o reino ao garoto, no momento em que ela relatou o que acontecera, ele lembrou de uma história que seu avô contava, a qual era a sua preferida, em que a feitiçaria de um povo muito antigo havia condenado algumas moças do reino a adorarem a lua e a esquecer dos amores de suas vidas, a cantiga que o velho cantava veio a cabeça do menino como um passe de mágica...

Moças, moças, moças...
São todas as moças,
Viram bichos muito sapecas,
E não largam de seus amores,
Eles pensam que são de estimação,
Mas as moças que estimam seu coração.

Após algum tempo ele escutou uma batida na porta, era sua amiguinha, ele abriu a porta e ela mandou que fossem embora, havia escutado um barulho no corredor, um pouco distante, ele pôs a bola de cristal no mesmo canto que antes e falou a moça que retornaria no dia seguinte e que arrumaria uma forma de ajudá-la. Ela por sua vez pareceu triste, e apenas deu-se com os ombros. Eles saíram do aposento e correram para a passagem no corredor, ficaram um pouco a espreita, e avistaram o Soldado com sua espada e mais dois guardas...

9 comentários:

Jow disse...

muito bom Ana parabéns!!!
E vida longa ao RPG!!!

José Antonio Klaes Roig disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, Ana. Ficou ótima a tua postagem. A história e os persinagens estão sempre se entrecruzando. Um abração, Zé.

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, pessoal, o comentário 2 era meu mesmo, que excluí, pois repeti no 3, já que estava com as letrinhas todas invertidas. Essa minha mania de ser mais rápido que o teclado dá nisso. Hehehehe. Abraços a todos! Viva o RPG. Zé.

Ana Matias disse...

Valeu Zé!!
VIVA O RPG²!!

=D

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, turma. Saiu hoje, no caderno @dolescendo, coluna Blogando a dilvugação do nosso blog RPG.
E a primeira notícia a gente nunca esquece. Hehehehehehe.
Eis o inteiro teor da nota:
"http://jogospoeticosvirtuais.blogspot.com/
Com o objetivo de promover a escrita colaborativa e criativa através de uma espécie de RPG literário surgiu esse espaço virtual. Os cinco escritores do blog são rio-grandinos adoradores de literatura e tecnologia. O veterano do grupo é o educador, poeta e escritor José Antônio Roig, com 44 anos, os outros tem entre 22 e 26 anos: Suellen Rubira, Leandro Kerr, Andréia Pires e Ana Cristina Matias. Esse mês o desenhista Jouber D.Cunha também veio somar ao grupo através da elaboração de desenhos dos personagens criados".
Fonte: Jornal Diário Popular, de Pelotas-RS-Brasil.
http://www.diariopopular.com.br/
depois procurar na seção:
@dolescendo/Blogando
Parabéns a todos pela amizade, talento e criatividade!
E um brigadu a Mônica Jorge, pela divulgação. T+, Zé.

José Antonio Klaes Roig disse...

Pessoal, coloquei tb no meu lbog Letra Viva post sobre a notícia do jornal. Já to com novo post pro RPG, só esperando a Su, o Le ou a Déia (que tá enrolada coma dissertação) postarem pra publicá-lo. Viva o RPG! E que os dados continuem rolando... Abrs,Zé.

Ana Matias disse...

Muito Show Zé!! Eu tb tenho a continuação do post, mas alguém tem que postar!!
Beijokas galera!!

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, Ana. Pois é a história está criando vida,e somos meros veículos. Rssss Leandor me falou que já tnha 2 post prontos e Su, tava quase pronto 1. Vamos torcer que eles enviem logo. Se até a noite não tiver post novo, e publico o meu e vc o seu. E continuemos a rolar os dados. Bjão, miga. :-p