sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Semper et ubique

Sempre e em toda parte, assim Lord Drago, integrante da Irmandade do Vento, referia-se ao Colecionador, o poderoso guardião da Ordem do Tempo, que nem os seus iniciados nem os mais infiltrados naquela sociedade secreta conheciam a verdadeira identidade... A única coisa que o cavaleiro do dragão negro sabia e tinha repassado a Prodigal era o fato de que, em caso de morte do cavaleiro, caberia ao fiel escudeiro assumir sua armadura, escudo e espada, carregando consigo o Livro do Destino, para tentar protegê-lo, ainda que com a própria vida, da cobiça do Colecionador, que desejava possuir todos os livros do mundo e dominar com isso todo o conhecimento humano em sua Biblioteca Sepulcral...

Lord Drago sabia que naquele Reino de estranhos existiam outros dois livros mágicos (dos Sonhos e dos Dias), que juntamente com o seu, o do Destino, continham em si a chave para enfrentar o temível Colecionador. Temendo por sua ruína, prevista nos dados e no livro, Drago guardara aquele oráculo num local enigmático que somente seu fiel escudeiro, se viesse a lembrar de seus ensinamentos, poderia encontrar...

Na beira do lago Azul Profundo, Prodigal pediu a Insônia que o ajudasse a retirar a pesada armadura de seu amo e Senhor. A mulher, sem dizer uma só palavra, acatou seu pedido. Os dois, com muita dificuldade, abriram uma a uma as fivelas daquela quase inexpugnável malha. A pedra preciosa, chamada o coração do dragão, ainda vertia sangue. Um pequeno mar vermelho se formou ao redor do imenso corpo sem vida. Após alguns minutos, o cadáver de Drago estava despido. Insônia aproveitou a beira do lago para lavar sua ferida.

Enquanto Prodigal desafivelava a malha nem percebera que a bela mulher tinha adentrado em um pequeno bosque ali próximo e de lá trazido ervas medicinais para fazer ungüento e cicatrizar a profunda ferida.

- Para que tanto cuidado com um corpo sem vida?, perguntou o jovem à moça dedicada.

- Semper et ubique unum ius (Sempre e em toda parte um único direito).

Envergonhado, conhecendo bem aquela língua ensinada pelo seu mestre, o escudeiro percebeu que teria muito que aprender com a vida e também com aquela mulher se quisesse se tornar um honrado cavaleiro. Tentando se redimir, trouxe a catapulta que arremessava os dois escudos de fogo, para poder carregar para dentro do bosque o corpo de seu amo e Senhor. Precisou de mais duas viradas de areia da ampulheta para que ele e a mulher cavassem uma cova funda, ao lado de uma imensa árvore, para em seu interior depositar o corpo de Drago.

Insônia trazia na cintura uma pequena bolsa enrolada, de onde tirou agulha e linha para costurar a malha do cavaleiro do dragão negro. Mexendo em seu interior, encontrou um pedaço de pergaminho, todo amassado, ensangüentado... Quando Prodigal se aproximou, a mulher alcançou-lhe o pedaço de papel, que continha um misterioso poema escrito, ao que tudo indicava, com o próprio sangue de Drago. Uma confissão? Um segredo? Que nada, quem sabe alguma mensagem cifrada indicando onde se encontrava O Livro do Destino, pensou o menino do lago tentando decifrar uma mensagem dentro de outra mais imbricada.

3N1GM4T1C0-P03MA

4-R0D4-D4-3X15T3NC14-35T4H-S3MPR3-4-G1R4R
3NQU4NT0-0-GR4ND3-R3D3M01NH0-D0-T3MP0
BR1NC4-D3-C1R4ND4-C0M-0-35P3CTR0-50L4R...
0-S0N0-PR0FUND0-D0-C3U
40-M4R-D05-50NH0S-TR4G4R,
M3RGULH4R-3M-UM-0UTR0-MUND0
3-3M-35TR4NG31R0-4-T0N4-R3GR3554R...
0-S0N0-PR0FUND0-3-0-M3RGULH0-M0RT4L
N45-PR0FUND3Z45-D4-4LM4-3-D05-T3MP0R415...
4M4R-3H-V1V3R-C0M0-4-4R4NH4-QU3-T3C3
53U-1M3N50-3M4R4NH4D0-D3-V3R505
P4R4-4-M05C4-D45-H0R45-4PR1510N4R...
0-4M0R-3H-UM-P3QU3N0-C1RCUL0-F3CH4D0
D3-0ND3-4-P0MB4-BR4NC4-N40-C0N53GU3-V04R...
V3J0-UM-MUND0-1M3N50-N45-3NTR3L1NH45
D4-P4LM4-D4-M40-D4-MULH3R-4M4D4...
N45-L1NH45-1M4G1N4R145-3NTR3-0-S0NH0-3-4-P41X40
C4M1NH0-D35C4LÇ0-3NTR3-4-T3RR4-D0-F0G0
3-0-T0RM3NT050-V1V3R-53M-T3-M1R4R...

5 comentários:

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, turma RPGiana. Como semana que vem inicio aulas a noite e estarei nas horas que sobrarem dissertando, antecipei um post, já que na outra semana, pra variar, estarei tb viajando.
Ah, "A César o que é de César", e a Ana o que é de Ana. Foi da Ana Matias a idéia de escrever um post ou poema em latim... Que está em elaboração. Eu apenas, furto de minhas leituras teóricas e insights, usei essa expressão latina para servir de título e fio da meada deste post. Suellen tb inovou, colocando uma publicação em inglês, homenageando nosso leitores do exterior. Jouber ilustra bem nossa imaginação. Enfim, eta grupo criativo esse... É um privilégio tê-los como amigos e colegas de projeto literário. Um abração a todos, e que os dados não parem de rolar... Longa vida ao RPG. Zé.

José Antonio Klaes Roig disse...

Ihhh, na msg minha acima, onde leê-se "furto de minhas leituras", logicamente quis dizer "fruto". Não foi ato falha, até p q referenciei a idéia da amiga e colega. hehehehehe, é fruto do teclado mais lento que seu digitador. Rssss, Abraços rpgianos a todos! Zé.

Jow disse...

PÔ Zé muito bom este post e tu como sempre sendo enigmático...
Parabéns a todos mesmo e desculpem a demora!!!

Andréia Alves Pires disse...

agora sou eu!! no 29... :D

Ana Matias disse...

Muito bom Zé, ainda tengo alguns problemas em decifrar, mas eu termino conseguindo!
Viva o RPG!
Abraço!