quarta-feira, 23 de julho de 2008

Os olhos de Cristal


Sentada em sua cama, a princesa Cristal põe a ditar para seu escriba O Livro dos Sonhos, em que retratava ora em prosa, ora em verso as imagens que via a cada noite mal dormida. Curiosamente eram formas que ela não compreendia, pois Cristal fora batizada com esse nome por conta da falsa imagem que deu ao seu pai, o rei Palermo, quando a viu nascer. Encantado com a beleza da menina, de cabelos loiros quase brancos, e olhos igualmente claros como o cristal, o pai orgulhoso não pensou duas vezes em dar-lhe esse nome.

O rei severo, com o tempo passou a perceber que algo estava errado com os olhos da menina, que não encaravam o seu rosto barbudo, quando este a pegava no colo para brincar. Intrigado, um dia colocou a filha diante da janela de seu quarto, numa manhã de sol forte. E ai descobriu que a princesa, tão bela, não possuía visão. Cega de nascença, naquele reino jamais poderia enxergar o que se passava a sua volta. O que seria lamentável para uma nobre.

Então, o rei confinou a menina em uma das torres do castelo, como que presa numa bolha, até chegar aos 16 anos, quando passou a ser cortejada por príncipes de reinos distantes, que a viam apenas de longe, maravilhados por sua beleza, mas intrigados por ela nunca olhar nos olhos de alguém... Ninguém naquele reino sabia de sua cegueira, exceto o rei, a rainha e alguns serviçais...

A maioria dos pretendentes, diante do insucesso de conhecê-la de frente, desistia do pleito e retornava para casa, e os que insistiam junto ao rei para conhecer Cristal pessoalmente, só podiam assim o fazer mediante uma condição: jamais encarar seu rosto, antes do casamento. Ninguém aceitava tal proposta e todos saiam indignados com a crueldade do rei Palermo. Dois longos anos se passaram... Outros pretendentes vieram, e todos tiveram o mesmo destino...

A rainha de nome Esperança, em decorrência do destino de sua filha e a truculência do rei, passou a ser chamada pelos seus súditos de Tristeza, vivendo confinada na outra torre, aguardando o dia que os sonhos da filha se tornassem realidade naquele reino de estranhos. Alguém que Cristal via em sonho todas as noites, e que viria libertá-las daquela prisão. A princesa tinha o dom de, apesar de não enxergar nada, conhecer as pessoas ao seu redor apenas pelo tom de voz e o jeito de caminhar. Imaginava seus traços, e quase sempre acertava na índole (boa ou má) de cada um, sabendo separar o joio do trigo, coisa que o rei Palermo, sempre rodeado de conselheiros, não possuía tal visão...

Por ironia do destino, naquele reino de estranhos, existia um bom homem, com medonha aparência, que encantava a todos com seus versos livres, mas que afugentava a todos que o conheciam pessoalmente. Um homem sem família, que vivia encapuzado, com um olho vazado por um duelo quando jovem, e que naqueles tempos, só saia de seu quarto, no interior do castelo, ao anoitecer, para não encontrar ninguém. Predileto do rei Palermo por conta de seus versos encarados como profecias, o Poeta vivia sozinho, recolhido em seu mundo interior. E nele tinha devaneios por conta do amor que depositava na princesa Cristal, que toda noite quando vinha à janela, emitia um misterioso brilho nos olhos, fazendo o Poeta se esconder entre as árvores, com medo de ser visto ali na espreita. Quando voltava para seu quarto, um pequeno poema ia nascendo em seu interior, na mesma medida que a princesa quando deitava, passava a sonhar com o homem que escrevia versos tão belos, quase profecias em que ela queria a todo custo acreditar...

Observação: Desenho acima, criado por Jouber D. Cunha, especialmente para o RPG.

12 comentários:

Andréia Alves Pires disse...

que legal, zé! dois personagens ficaram mais nítidos hoje. só uma coisa, que talvez se explique mais adiante na história, só que como me encarreguei da rainha...: o nome dela. Lá no post da rainha ela diz "A mim que já chamaram Esperança hoje alcunham Tristeza", e na continuação de hoje aparece que ela resolveu chamar-se Tristeza em função de outras pessoas. Eu acho, só acho..., que se logo adiante essa relação não for trabalhada melhor a nossa história fica um pouco incorente, pelo menos quanto ao que pensei pra personagem. Eu pensava na rainha pela loucura. Do jeito como a vejo, essa atitude de reclusão até que bate, mas a de resolver se chamar Tristeza me parece de muita submissão para alguém que está em crise tão intensa e que se rebela contra os mundos visível e invisível. Na minha cabeça, o próprio nome seria um sinal de resistência, de permanência identitária, e quando os outros retiram-lhe isso, se aproximam do que ainda resta de seu.
Que tu achas?

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, Déia. Tudo a ver o teu comentário. É o que tenho falado com a turma, da gente evitar erros de continuidade. Boa lembrança a tua. O que precisamos, agora em Agosto é traçar perfis das personagens pra evitar essas "saias justas" (até pelo fato que na época retrata esse tipo de vestimenta não era permitida. hehehehehe). Pode deixar que vou fechar a continuidade no post. Brigadão pelo toque. Um abração, Zé.

Andréia Alves Pires disse...

:) bom jogo do colorao pra ti! bjo.

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, Déia. Colorado venceu e convenceu. 7 jogos sem perder!!! Sete!!!!!!! meu número da sorte. hehehehehe. Qto ao RPG, vamos continuar uns revisando os post dos outros, como combinamos no início, não apenas na questão de continuidade, mas concordância e tudo mais. Trabalho coletivo implica nisso. Ainda mais eu, que na correria sempre engulo umas letrinhas... hehehe. Abração a todos! E rolemos de novo os dados...

José Antonio Klaes Roig disse...

Ah, pessoal, me esqueci de dizer que a definição física dos dois personagens, princesa Cristal e o Poeta (ainda sem nome), foi por conta de uma conversa no MSN com o Jouber, que para desenhar esse personagens, via o Poeta bem feio e a princesa linda. Ai, plim (como diz a Suellen, hehehehe), tava nascendo o perfil dos dois. Um contraponto um ao outro, mas ambos como uma ligação com a escrita e seus livros dos Dias e dos Sonhos. Como RPG a gente assume alguns personagens, vou me dedicar a esses mais detidamente... Déia escolheu a Rainha; Su, a Mulher de Preto e talvez o Soldado; Ana tem escrito, como eu, um pouco de tudo... Mas vamos definindo aos poucos nossos personagens bem ao estilo RPG. Valeu ao Jouber pela inspiração. Um abraço ao amigos do RPG! T+, Zé.

Debora King disse...

Roig! Este eu já conhecia, tenho amigos que postam contigo: Ana, Freak e Jouber!
Achei espetacular a idéia de vocês em unirem forças e criarem este trabalho maravilhoso... sempre que possível eu dou um pulinho aqui e acho muito bom o trabalho de vocês!
Abraços poéticos em todos os autores!

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, Jouber, maravilha esse teu desenho. Eu tinha imaginado a princesa Cristal bela, mas você se superou ao retratá-la. Ficou belíssima. Hehehehehe. Valeu amigão por mais esse trabalho, que valoriza os textos do RPG. Brigadão! Ah, e tudo certo para a tua exposição dia 27/7, às 16 horas, lá no Cassino? É no ArtEstação? Confirma pra eu me organizar e ir lá prestigiar ao amigo. Um abraço, Zé.

Ana Matias disse...

Lindo o desenho do Jouber!!
Adorei!

Jow disse...

Brigado pessoal!!!
Olha tá certo a exposição sim!!

José Antonio Klaes Roig disse...

Caros amigos e colegas do RPG, hje, 25/7, é o Dia do Escritor(a). Lembrando das primeiras conversas coma Su e Le, de criar esse blog, deppis com a adesão da Ana e a Déia, e mas tarde com a colaboração dos desenhos do Jouber, já podemos contabilizar ( de acordo com o contador de visitas instalado) nesse pouco mais de 1 mês no ar, mais de 3 centenas de visitas, totalizando 15 países visitantes. Viva o Dia do Escritor9a), e que os dados do RPG continuem rolando ao nosso favor. Um abraço a todos! Do amigo e colega, Zé.

Ana Matias disse...

Feliz dia do Escritor!!
=D

Jow disse...

Feliz dia do escritor minha gente!!