segunda-feira, 14 de julho de 2008

O livro dos dias

Havia naquele reino de estranhos um livro misterioso, escrito por um poeta, tido por nobres e plebeus com um vidente, a frente de seu tempo, pela curiosa coincidência entre o que escrevia e o que acontecia ao seu redor. Seus versos eram tidos como previsões, profecias. Sua escrita enigmática seria num futuro distante tida como reveladora. Estudiosos se debruçariam sobre ela como se a mesma tivesse um código secreto, que ao ser desvendado poderia conter segredos do próprio tempo futuro.

No entanto, o poeta tinha inspirações, fruto não de visões mas de emoções que sentia sobre o próprio reino e seus habitantes aprisionados pelo tempo. Escrevia em couro seco de cabra com pena de ganso e corante de plantas. Escrevia ora a noite, ora de dia, sobre o futuro do presente, sobre o presente do futuro e sobre o futuro do futuro. Tempos verbais e não siderais. Não tinha a pretensão de ser profeta, apenas um poeta. As palavras dançavam em sua mente, mas não era vidente...

O bispo temia sua escrita, ameaçava-o seguidamente com a fogueira. Mas o poeta dizia que seus versos eram para o rei, que vaidoso, o tinha como seu artista preferido, dando-lhe proteção e abrigo dentro das muralhas do castelo.

O poeta reunia diversos poemas, que batizara de O Livro dos Dias, fruto de suas vivências, observações e opiniões sobre o reino e seus habitantes... Ainda não tinham inventado a imprensa. A Bíblia ainda era copiada página por página por padres copistas. Toda vez que tinha uma inspiração, recolhia-se aos seus aposentos humildes, para ali não esquecer as palavras que o vento lhe soprava nos ouvidos...

Eu tive um sonho
em que subia numa pequena árvore,
a pequena árvore do sonhos
e de lá do alto, tudo era encantado,
como um quarto crescente,
onde o mundo pequeno tornava-se imenso...
As palavras caminhavam sobre a linha do horizonte...
as gotas da chuva tornavam-se puro cristal,
o mal não tinha morada e a amada,
vivia enclausurada em seu quadrante solar...
E a morte vivia longe, lá no fim do mundo,
Porém podia estar a qualquer momento
Bem mais próxima do que pensamos;
Ao lado da ponte, onde mora o coração valente...


Terminados os versos, o poeta adormeceu em seu catre. Na manhã seguinte, foi acordado às pressas pelo chefe da guarda, que o conduziu a presença do rei. O poeta carregou consigo os versos que tinha escrito no dia anterior, para dar de presente ao rei, inspirado na princesa Cristal, batizada com esse nome por conta do brilho de seus olhos.

O rei abatido, inconsolável, mortificado contou ao poeta sobre a morte de seu filho preferido, o príncipe herdeiro, próximo à ponte elevadiça, quando voltava de uma caçada onde fora a caça ao invés do caçador, haja vista ter seu peito traspassado por uma flecha mortal... O rei vendo as mãos trêmulas do poeta, segurando o couro de cabra avermelhado pela tintura dos versos e suor das próprias mãos, pediu com rigor para ver o que estava escrito nele. E ao ler aquele poema, começou para o poeta sua dupla sina... De profeta do rei e poeta encantado pela princesa Cristal, prometida a um nobre de posto, mas não de sentimento, doutro reino distante... Não podia contar que o quadrante solar que ele se referia nos versos era justamente a janela do quarto da princesa, que se iluminava cada vez que ele a via, ao subir na árvore próxima ao local. Um poeta, naquele reino, era condenado a fazer somente profecias ao invés de escrever poesias, sob pena de ser aprisionado como outros tantos na masmorra do castelo... O livro dos dias , para sua glória e sina, seria lido de agora em diante, e através dos tempos, de forma mística e sobrenatural...

15 comentários:

Anônimo disse...

Oi meu nome é Mônica Jorge, gostaria de saber se vocês autorizam a divulgação do blog de vocês no espaço "Blogando" que temos no caderno para adolescentes Se Pá!! Aguardo retorno para o e-mail monica@diariopopular.com.br. Caso positivo me respondam por favor a idade e nome de vocês, como surgiu a idéia do blog, se conhessem daonde (amigos da vida, colegas, grupo de RPG? ). Era isso, aguardo um retorno ok???? Abraço!

Jow Lecter disse...

José!!!
Nossa que incrivel!!!
Cade vez melhor!!!
Que rolem os dados!!!

Ana Matias disse...

Zé!!! Muito bom o teu post... quero saber tudo deste Livro dos Dias!! =D
Dados e Dados rolando!!

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, Ana. Pois é, o tal Livro dos Dias, é uma obra poética do tal Poeta, ainda sem nome, que escreveu a sua amada princesa Cristal, iniciando a primeira página quando a conheceu... Ainda não defini como... kkk Mas que tem um grande impacto sobre a realeza do castelo por escrever o que todo mundo vê mas nem todos conseguem enxergar. Um diário mágico que causa rebuliço no castelo, por ser interpretado com a representação fiel da realidade. Uma série de casualidades. É o grande problema dos Poetas no mundo real, em que os leigos acreditam piamente que tudo que se escreve, se vive. Nem sempre, né? Esse Livro dos Dias renderá boas histórias ainda, hehehehe. E que os dados não parem de rolar...

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, Monica. estaremos enviando um release sobre o RPG e seus integrantes, início e tudo, aidna hoje. Grato pelo interesse em divulgar o blog. Um abraço,

Freakie! disse...

Quero pedir desculpas pro pessoal pois ando totalmente relapsa ultimamente.

Ando no meu inferno astral, mas passa.

Um grande abraço e que o RPG continue assim!

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, miga. Naum precisa se desculpar. Todos passamos por fases de lua, minguante, nova, crescente e cheia,. hehehehe Amigos entendem, e sçao pra isso. Abração, e até mais.

Freakie! disse...

Uhull esse livro dos dias...quero escrever nele também!

:D

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, Su. Vai firme! Esse livro é nosso, dos poetas que vivem o livro, e escrevem a vida. Tenho umas ideías show de bola, os dados não param de rolar na minha mente. Viva o RPG!!! Um abração, Zé.

Freakie! disse...

Ai Zé tu és rápido demais! Eu aqui dependendo de um plim poético e tu cheio de idéias! Que coisa!

:D

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, Su. Pois é, o problema comigo é que os dados estão caindo no sete direto. kkkkk Incorporei a história do rpg, e vira e mexe, um link da vida real puxo pro blog... Tenho uma idéia q vai cair c uma luva , mas conto em off pra turma, pra naum dar uma de mister M, e estragar a magia ... kkkkk E os desnehos do Jouber, tri afuzel, visse o da mulher de preto? Tá lá no post já. Como vocês dizem: massa!! falando nisso, tá na hora do almoço, massa claro. kkk pra combinar com o rpg. hehehehe, t+, Zé.

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, turma RPG, hoje, se verem o contador de visitas, ultrapassamos as duas centenas de acessos, com visitas dos 3 continentes. Acredito que em parte a evolução da história, em parte aos desenhos criados por Jouber, que incorporados aos posts, estão chamando a atenção para o nosso trabalho coletivo. Antecipando o Dia do Amigo, que é comemorado amanhã, já felicito aos novos amigos virtuais que arranjei. Amanhã estarei off, pois meu pai de niver e minha sobrinha também. Abraços RPGs a todos! E que os dados continuem a rolar... :-)

Ana Matias disse...

Feliz Dia do Amigo Zé!! Muitas felicidades pro teu pai e tua sobrinha!!

Está bombandoooo PESSOAL!!

Beijokas estaladas aos meus amigos!!

Jow disse...

AI Abração Zé!!
Felicidades para o teu pai e tua sobrinha!!

Tá bombendo mesmo!!
Etipo feliz dia do amigo a toda a gurizada do RPG!!

José Antonio Klaes Roig disse...

Oi, turma RPG... Que acham da imagem neste post, do provável bosque próximo ao castelo de Messiter? ;-)